Daniel Sharman (Weeping Monk) fala sobre seu personagem em Cursed,  como foi voltar para a casa após 5 anos e como foi usar delineador, em entrevista à Tim Augustin do site Hardware Zone. Confira a matéria traduzia:

Note: Go to the bottom of the page to switch to your language. – vaya al final de la página para cambiar a su idioma. – vai in fondo alla pagina per passare alla tua lingua.

Qual foi o local que você mais gostou de filmar?

Daniel Sharman: Para mim, foi ótimo que nos locais em que filmamos eu estava praticamente voltando para casa. Eu sou da Inglaterra, isso e o País de Gales são onde eu cresci. Eu não voltava para casa há cinco ou seis anos. Eu não tinha ideia de que a Inglaterra poderia ser tão bonita, mesmo que eu achasse já ter visto de tudo. Há algo de especial em filmar em seu país de origem e redescobri-lo um pouco. Além disso, eu tenho que ser honesto, voltar comer a comida de sua mãe é um plus a mais.

Quando você leu o roteiro pela primeira vez, o que você achou dessa interpretação da lenda arturiana?

Daniel Sharman: Bem, eu estava interessado em saber por que eles queriam recontar essa história e qual era o pensamento por trás dela. Falei com Tom e conversamos sobre qual era seu objetivo com Cursed – os ângulos surpreendentes dos quais ele queria subverter a história. Fiquei muito impressionado com esta versão e achei muito oportuno contar essa história agora. Ele me disse que queria contar uma história que suas filhas pudessem interpretar como maneiras de ser heroínas em suas próprias vidas. Eu tenho uma irmã mais nova que acabou de completar 10 anos e ela é uma guerreira, e poder dar a ela uma inspiração foi muito legal.

Seu personagem é incrivelmente misterioso e tem um segmento enorme desde o começo desta temporada até o fim. Como você se preparou para isso?

Daniel Sharman: Esse personagem foi desafiador. Havia uma jornada interna a qual ele não sabia, que ocorreu dentro dele pelos dez episódios. Minha intenção era tocar nisso o tempo todo, sem mostrar muito, mas se você assistir a temporada, espero que as pessoas notem momentos em que você vê reviravoltas nele. Eu gostei do desafio de ter talvez duas ou três cenas por episódio, que ainda tinham que contar um grande segmento para esse personagem.

O que  inicialmente te atraiu e te levou à interpretar o Weeping Monk?

Daniel Sharman: A história que Tom me contou, e a surpreendente reviravolta de quem ele é no episódio dez, permitiram-me brincar com a ideia de como alguém se tornaria o Weeping Monk. Eu sou doido por essas coisas – adoro interpretar pessoas traumáticas e descobrir o que as fazem funcionar. Não demorou muito para eu ser desafiado e estar interessado por ele. Além de parecer muito legal ter uma capa e uma espada, fiquei realmente intrigado com a ideia de dar a essa pessoa humanidade e entender como eles chegaram lá. Essa, é sempre a parte desafiadora. Quanto mais assustador é o vilão, mais vilão ele é… a responsabilidade é sua para torná-lo o mais compreensível e humano possível. É por isso que eu queria fazer isso.

Qual cena você está mais animada para que todo mundo veja?

Daniel Sharman: No último episódio ele alcança sua batalha interna, e é nesse momento em que você descobre quem ele realmente é. Eu acho que o legal disso é que demora muito tempo. Você precisa chegar até o fim para ver o que está acontecendo com ele e quais são os conflitos dele. Gosto de fazer as pessoas esperarem e de investi-las em algo antes de serem surpreendidas pelo fim.

Você já teve que trabalhar com tanto delineador no rosto antes?

Daniel Sharman: Eu sei, que pareço um membro de uma banda de glam-rock dos anos 80! A razão é que havia marcas de nascença por trás dessa maquiagem, e eu queria que houvesse uma história por trás delas. Eventualmente, você descobre o que são e por que estão lá. Quando começamos a colocar a  maquiagem, eu parecia muito com um membro do AC/DC – mas nós trabalhamos nisso. No final do dia, às vezes eles não conseguiam tirar toda a maquiagem, e eu voltava para casa às 3 da manhã com um pouco disso ainda em meu rosto. Eu tenho que admitir, gostei bastante. Continuei usando por alguns dias… talvez eu inicie uma tendência, não sei.

Cursed – A Lenda do Lago estreia na Netflix dia 17 de julho de 2020.

Para conferir a matéria com o restante do elenco de Cursed clique, aqui.

Tradução & Adaptação: Angélica Luiza
Fonte: Hardware Zone